Lúpus

LES, (lúpus eritematoso sistêmico), ou apenas Lúpus é uma das doenças autoimunes mais conhecidas e mais importantes. Afeta principalmente a pele, articulações, rins, cérebro e todos os demais órgãos.

O Lúpus ocorre quando o sistema imunológico ataca e destroi tecidos saudáveis do corpo. Não se sabe ao certo o porquê deste comportamento anormal, mas os indícios de pesquisas falam que há uma combinação de fatores que incluem genética e meio ambiente.

Dois fatores externos são evidenciados nas pesquisas como causadores comuns deste comportamento, que são a exposição à luz solar, que pode agravar alguma lesão ou inflamação e o uso de medicamentos principalmente os receitados para controlar convulsões e pressão alta.

A doença pode se apresentar em 3 tipos

Lúpus Discoide: que é sempre relacionada à pele e é identificada a partir do surgimento de lesões avermelhadas no rosto, na nuca e no coro cabeludo.

Lúpus Sistêmico: neste caso a doença afeta o organismo comprometendo vários órgãos ou sistemas do corpo. Os sintomas dependem do local da inflamação como rins, coração, pulmões e até ao sangue, além das lesões na pele e nas articulações. Pacientes com lúpus discoide podem evoluir para a forma sistêmica.

Lúpus induzido por drogas: o uso de algumas drogas ou medicamentos podem provocar a inflamação temporária e sintomas parecidos com o lúpus sistêmico, mas neste caso a doença desaparece aos parar com o uso.

Fatores de risco e sintomas mais comuns

A incidência de lúpus é maior nas mulheres do que nos homens e os diagnósticos acontecem na idade entre 15 e 40 anos, podendo surgir em qualquer idade. É mais comum também as pessoas com etnia afro-americana, hispânica e asiática.

Os sintomas do lúpus surgem de repente ou se desenvolvem lentamente. Podem ser moderados ou graves, temporários ou permanentes.

A maioria dos casos apresenta sintomas moderados e se apresentam em crises esporádicas, nas quais os sintomas se agravam por um tempo e depois desaparecem.

Os sinais mais comuns são:

  • fadiga, febre, dor nas articulações;
  • rigidez muscular e inchaços;
  • vermelhidão na face em formato de borboleta ou rash cutâneo;
  • lesões na pele pioradas quando expostas ao sol;
  • dificuldade para respirar, dor no peito;
  • dor de cabeça, confusão mental, perda de memória;
  • queda de cabelo, feridas na boca;

Tratamento

Não há cura definitiva para o lúpus, mas existe tratamento e seu principal objetivo é controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Ensiná-las a conviver com o lúpus exige mudança de hábitos e cuidados diários. Procurar um médico assim que sentir alguns dos sinais e principalmente ao surgirem manchas vermelhas no rosto.

O diagnóstico do lúpus pode demorar pela grande quantidade de sintomas que são comuns a outras doenças reumáticas. Por isso os profissionais mais indicados são o clínico geral e o reumatologista.